1. MENU
  2. CONTEUDO
  3. RODAPE

Ex-vereadores, ex-secretário e gabinete da atual presidência da Câmara de Formosa são alvos de operação do MP e PC

Por Lucas Silva 16 Agosto 2021 Publicado em Polícia
Votao
(0 votos)
Lido 570 vezes

O Ministério Público e a Polícia Civil deflagraram na madrugada desta segunda-feira, 16, a operação denominada Críton, que tem como objetivo cumprir 10 mandados de busca e apreensão nas residências de ex-vereadores, ex-secretário, e no gabinete da presidência atual da Câmara de Vereadores de Formosa, na região Nordeste de Goiás.

 

O juiz Fernando Oliveira Samuel da 2ª Vara Criminal,  decretou como alvos da operação o atual Presidente da Câmara de Vereadores Acinemar Gonçalves Costa, conhecido como “Nema”, os ex-vereadores Antônio Faleiro Filho, Emílio Torres de Almeida, Jesulindo Gomes de Castro, Jorge Gomes da Mota, Nélio Marques de Almeida e Wenner Patrick de Sousa, além do ex-secretário Rodrigo Melo da Natividade.

 

Entenda

 

A investigação desenvolvida pelo MP descobriu que entre os anos de 2012 e 2016 prefeitos e secretários de Formosa articularam e executaram um elaborado esquema criminoso de dispensa indevida de licitações. Com isso, centenas de apadrinhados e apoiadores políticos foram ilegalmente contratados para prestar serviços na prefeitura sem a realização de concurso público.

 

Os crimes praticados no período foram possíveis mediante o emprego fraudulento de uma Cooperativa de Catadores de Lixo (Cooperativa Recicla) que intermediava as contratações, e resultou em prejuízos milionários aos cofres públicos, cerca de R$20 milhões. Os ex-prefeitos Pedro Ivo de Campos Faria e Itamar Sebastião Barreto, além dos ex-secretários Abílio de Siqueira Filho, Eduardo Leonel de Paiva e Gilmar Francisco de Sousa, e da funcionária da Cooperativa Flavineide Rocha, foram condenados em julho deste ano a penas de detenção que variam de três a cinco anos, a serem cumpridas em regime aberto, e ao ressarcimento dos cofres municipais no âmbito da operação Treblinka, realizada em julho de 2019.

 

O Ministério Público, nesta segunda fase, busca responsabilizar os agentes políticos da época que se valeram da condição de vereadores e secretário para solicitar vantagem indevida, consistente em contratações sabidamente ilegais de seus protegidos políticos, via Cooperativa de catadores de lixo, para a prestação de serviços ao Poder Público municipal, o que configura o delito de corrupção passiva.

 

A operação é coordenada pelo promotor de justiça Douglas Chegury e o delegado regional de polícia civil José Antônio Sena. Em caso de condenação, os investigados estão sujeitos a uma pena de reclusão de dois a 12 anos.

 

Fonte: Jornal Opção

Instagram Radio EldoradoTwitter Radio Eldorado

 

Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro
Parceiro

Real Pax